(61) 99974-4758

Blog

Novidades e artigos

33ª Feira do Livro presta homenagem ao Tropicalismo

20170615094420419682e
A feira pretende se colocar como uma celebração da cidadania e dos saberes poéticos, literários, políticos e científicos

Isabella de Andrade

A 33ª Feira do Livro de Brasília busca inspiração no Movimento Tropicalista para movimentar a literatura nacional, entre os dias 16 e 25. As ideias de liberdade e constante movimentação social ganham vida entre os livros e debates do evento, que pretende atrair crianças, jovens e adultos de todas as idades. O desafio de inclusão e de cidadania do evento ressalta que a relação literária começa cedo e o objetivo é: cada criança, um livro.

O evento busca despertar o encanto pela leitura desde a infância e mostra uma rica programação de mesas de debate para os adultos, contação de história para os pequenos e a Arena Jovem, que pretende atrair um público consciente e participativo para o local. A presença dos autores locais de diferentes regiões do Distrito Federal é outro ponto forte dessa edição. Um dos coordenadores da feira, Luis Turiba, conta que toda a curadoria poética foi feita a partir da ideia de refletirmos sobre os 50 anos do movimento tropicalista. “Embora a Tropicália seja um saudoso quadro na parede de um sonho libertador, que aconteceu há 50 anos, em plena ditadura militar, há paralelos incríveis com os dias atuais”, afirma.

Comparando as incertezas do momento político atual e o dos anos 1960, o poeta lembra que a ideia é proporcionar reflexão, debate e possibilidade de mudança por meio da literatura. “Os tempos políticos atuais são tão confusos e raivosos quanto aqueles dos anos 1960. Muita gente espumando certezas vãs e descalabros apimentados. Mas há nisso tudo um certo sabor nostálgico ao se falar daqueles eventos”, destaca.

O Café Tropicália vai abrigar recitais, mesas de conversa e celebrações. “Traremos o poeta-filósofo Antonio Cicero, o antropólogo Antônio Risério, autor do fantástico Que você é esse.? Além deles, o poeta piauiense Salgado Maranhão, que concorre a uma cadeira na Academia Brasileira de Letras”, diz Turiba. O mesmo espaço abriga uma exposição da fotógrafa Ângela Raymundo, com imagens que lembram as citações dos monumentos da música Tropicália, de Caetano Veloso.

A feira pretende se colocar como uma celebração da cidadania e dos saberes poéticos, literários, políticos e científicos e, para Turiba, apesar das redes sociais, dos blogs e da força da internet, o livro ainda é um objeto sagrado para a cultura e para as transformações. “Além de escritores consagrados, a Feira tem um espaço jovem para blogueiros e sites com histórias infanto-juvenis. Como no tropicalismo, tudo se mistura e dá caldo”. Os autores locais serão a sustentação da feira, com destaque para a homenagem aos primeiros escritores que iniciaram a criação poética no DF, como Santiago Naud, Fernando Mendes Viana e Anderson Braga Horta.

“Empoderosas”
O debate de gênero e a presença das mulheres será outro ponto forte. Elas marcam presença entre as conversas literárias, as estantes de livros e o movimento Empoderosas em Polvorosa, só com poetas mulheres. Autores locais de diferentes estilos e vertentes terão espaço no Café Literário e nos lançamentos de livros.

Escritora e uma das coordenadoras do evento, Lucilia Garcez lembra que a feira é também uma vitrine que torna mais visíveis as produções locais para os próprios moradores da cidade. “As pessoas se informam e passam a valorizar e a conhecer melhor a cultura do lugar onde vivem”. Além disso, a escritora destaca a importância do tema Tropicália, que tinha como foco uma estética renovada e o desconforto com o marasmo tradicionalista e repressor da época.

“Além disso, foram convidados escritores representativos da literatura feita na capital. Como por exemplo, João Almino, que acaba de entrar para a Academia Brasileira de Letras e sua obra focaliza Brasília como personagem e como cenário”, comenta Lucília.

Saiba mais

  • Disco 'Ok Computer' completa 20 anos. Leia mais sobre esse clássico!
    Disco ‘Ok Computer’ completa 20 anos. Leia mais sobre esse clássico!
  • Festival Internacional Nación Pachamama chega à sexta edição
    Festival Internacional Nación Pachamama chega à sexta edição
  • Feira do Livro tem reflexões e debates sobre novas formas de produção
    Feira do Livro tem reflexões e debates sobre novas formas de produção

A Arena Jovem é outro ponto forte da Feira do Livro deste ano, que busca atrair a juventude de forma participativa e engajada para o evento literário. Blogueiros, jovens leitores e autores se encontram no espaço para debater os novos rumos da produção e do consumo literário e poético. Ao todo, são mais de 40 atrações só para o público adolescente.

Feira do Livro de Brasília
Shopping Pátio Brasil . De 16 a 25 de junho. Durante o fim de semana a programação vai de 10h às 19h. A entrada é gratuita e a classificação indicativa é livre.

Duas Perguntas / Lucilia Garcez

Qual a importância da literatura em momentos de mudança histórica e política?
A literatura é sempre importante como uma forma de provocar a reflexão sobre o mundo, sobre as organizações, os sentimentos, as relações e os valores. Ela é cada vez mais necessária num contexto em que os valores estão sendo tão subvertidos, em que ter é mais importante do que ser, em que os bens materiais suplantam as qualidades espirituais, em que a ostentação é uma ordem. A literatura é uma interpretação do mundo que humaniza e desperta reflexões e análises sobre a realidade que nos fazem rever nossas atitudes e opções. Ela nos coloca no lugar do outro. Ela nos ajuda a não nos conformarmos com uma vida menor e nos leva a outros horizontes. A literatura contribui para que as pessoas continuem crescendo. Penso que assim como o direito à saúde, ao trabalho, à moradia, à educação, todo nós temos direito inalienável à poesia e à arte. Assim, feiras de livros e debates sobre a literatura colocam na pauta das sociedades outras possibilidades de escolhas.

De que maneira a Feira pode impulsionar a produção literária local?
As conversas, os debates, os lançamentos, as oficinas podem estimular novos escritores a se lançarem no mundo das letras com mais ímpeto. A movimentação toda em torno do livro é encorajadora e a oportunidade de encontrar e conversar com autores de sucesso é muito estimulante. Além disso, muitos editores circulam pelos estandes e esse contato pode ser muito promissor. No Café Literário, os escritores iniciantes poderão conversar com escritores consagrados e tirar dúvidas sobre as dificuldades e oportunidades da carreira de autor. Nas oficinas teremos uma aula-espetáculo da Dad Squarisi, um laboratório poético com Wilson Pereira e três aulas de Roberto Klotz para escritores. Além disso, vamos contar com a participação de ilustradores de renome como Victor Tavares, Romont Willy e Jô Oliveira. Todas essas oportunidades podem oferecer experiências estimulantes para os autores da cidade.

Os lançamentos coletivos no Lançodrome chegam a quase 200 livros, sendo de 10 a 15 obras por dia.

 

Compartilhe   

Escrito por

Formada em Enfermagem (Universidade Católica de Goiás) e Artes Cênicas (Faculdade de Artes Dulcina de Morais, Brasília), Especialista em Saúde Pública (UnB), Mestre em Educação (Universidade Católica de Brasília) e Doutora (Universidade de Brasília-UnB). Exerce, além da profissão de enfermeira, a educação em saúde, envolvendo a cultura e outros saberes, sendo facilitadora de oficinas/palestras nas áreas de criatividade, teatro, dinâmicas, atividades lúdicas, arteterapia e outros temas.

Comments 0

Deixe um comentário